domingo, 30 de outubro de 2011

Zooterapia: uma relação de Simbiose ou Parasitismo?


Seguindo o pensamento do post anterior e uma reflexão levantada pelo Grito do Bicho gostaria hoje de refletir sobre a Zooterapia. Zooterapia é o nome dado para terapias humanas que têm o animal como objeto de cura esteja ele vivo, morto ou apenas algumas partes do seu corpo. Há quem não concorde com esse “uso”, pois considera que há uma exploração do outro animal que passa a existir apenas para servir o homem. Há porém outros pontos de vista que vêm a relação como uma simbiose e que ambos se beneficiam dos momentos juntos. Inúmeros estudos têm mostrado que o convívio com os outros animais traz inúmeros benefícios para saúde física, mental, social e espiritual do homem, facilitando as relações sociais e aumentando a sobrevivência. A interação com outros seres sem dúvida nenhuma nos traz elementos essenciais para nosso bem-estar e talvez negligenciados por muitos. As sensações táteis, sonoras, odoríferas e visuais, a empatia, a resposta, a sensação de ser apreciado e compreendido por alguém, enfim, são muitos os benefícios oriundos dessa relação. Existem diferentes tipos de Zooterapia: Ingestão de animais como medicamentos; uso de sanguessugas para melhoramento da circulação; uso de larvas para retirada de tecidos necrosados e tratamento de feridas; a apiterapia que usam abelhas vivas para picarem os pascientes; peixes que fazem massagem nos pés ao retirar células mortas; cães podem auxiliar depoimentos estressantes; auxiliar no tratamento fonoaudiológico; cães que são utilizados como guias; A Hipoterapia (cavalos) para pessoas com problemas físicos e mentais e a psicoterapia a cavalo e a bototerapia (botos e golfinhos). Em Curitiba um projeto da prefeitura leva coelhos, pintinhos, patinhos, porquinhos-da-índia, hamster, furões, tartarugas, jabutis e cobras para crianças e idosos que não conseguem ir até o zoológico, assim como cães de voluntários visitam crianças em hospitais em diversas regiões do Brasil . A Terapia Assistida por Animais (TAA) se originou na Inglaterra no século XVIII para tratamentos de doentes mentais, e se caracteriza por intervenções direcionadas, individualizadas e com critérios específicos em que um animal é parte integral do processo do tratamento. Vários estudos tem apontado que o convívio com os animais é extremamente benéfico e melhora o sistema imunológico, diminuindo estresse e aumenta a qualidade de vida de idosos em asilos Atualmente são disponibilizados Cursos de Zooterapia on line. E você o que acha? Conheces algum caso interessante de zooterapia... conte-nos!

3 comentários:

  1. Na maioria das vezes é um parasitismo, sem duvidas!

    ResponderExcluir
  2. depende do caso realmente pode ser parasitismo, mas com alguns animais mantemos uma relação de simbiose..

    ResponderExcluir
  3. Acredito que quando os animais são uma ferramenta de ajuda, respeitando seu tempo e suas limitações pode ser benéfico para as duas partes com certeza.
    Meu irmão é deficiente mental e a terapia com avalo o ajudou muito em vérios aspectos da sua vida. E no local onde ocorria, os animais eram muito bem tratados, e iam sozinhos para o local onde as crianças esperavam.

    ResponderExcluir